11.11.06

Sonhos em Cacos

Ao entrar na universidade descobrimos que C.A não é só o nome uma das turmas que passamos durante o jardim de infância. C.A. é superior. Ensino superior. C.A. é Centro Acadêmico. Significa justamente o fim da infância e ingresso numa nova fase. Ao invés de crianças e ‘tias’, o C.A torna-se lugar de jovens. E de sonhos. De jovens senhores de si mesmos, sem ‘tia’, pai, mãe ou professor. Lugar de ter voz ativa, pra no nosso destino mandar!

Fazer Comunicação Social na Ufes significa ter como primeira referência o Centro Acadêmico - o Cacos. A princípio, é de grande satisfação ver os próprios estudantes se organizando para lhe receber nessa nova fase da vida. À segunda vista, vêm as críticas: não há pluralidade de pensamentos, só participa quem está alinhado com a direção, há uma ‘espiral do silêncio’- como diz a teoria da comunicação- que faz com que as vozes mais frágeis se calem. Dessa forma, a participação no espaço acaba sendo menor do que poderia, o C.A. deveria representar TODOS os estudantes e blá blá blá. A partir daí uma névoa lhe separa do espaço que você havia achado tão legal e importante. Até aí todo mundo vai. Mas o terceiro passo só é dado por alguns. Para dar esse passo adiante e vencer a névoa é preciso ter no coração uma certeza mais forte que as da sua mente. Fechar os olhos, preparar as pernas, tomar coragem e correr rumo ao estranho. Talvez você pegue tanto impulso visando a derrubar a porta e chegar fazendo barulho. Mas muitas vezes a porta estava aberta e a neblina não lhe deixou ver. É o seu primeiro tombo. Um tombo moral.

20 Gritos:

Blogger Laééércio! said...

"jovens senhores de si mesmos" é um oxímoro...

rsrsrs

Abraço, Vitin.

21:32  
Blogger Vitor Taveira said...

oxi quem?
rsrs

21:37  
Blogger Laééércio! said...

0x1 para o Flamengo sobre o Goiás!

rsrsrs!!

21:56  
Anonymous haroldo said...

meu deus,
quem é esse laércio?
uhm. concordo com o post do laércio. por falar nisso a última postagem do meu blog é sobre um livro e como a vida pode continuar vazia, sem ser emo.
hau! hua!
ainda não li o seu texto. to cansado disso tudo já, quero dar um tempo, descansar pelo menos até segunda dessa má sorte.
amanhã tem enade!
cobrir o boicote!
abraços!

22:03  
Blogger Sérgio Rodrigo said...

Lindo o texto! Realmente há grande sinceridade nele e isso é muito bonito. E o mais legal dele é que há uma certa imparcialidade de chapa. É qualquer estudante de comunicação falando sobre sua relação com o C.A. Gostei mesmo.

10:48  
Blogger geração prozac said...

Hum...Li tudo e nao concordo de muita coisa que foi escrita, mas acredito que seja so um desabafo e não coisa de mau perdedor.

No entanto, queria ressaltar, que o CA nunca passou de uma panelinha fajuta, onde se você não concorda com as "lutas", quase que impostas, você é olhado de lado sim. E se a Cacos nunca foi uma panela, porque a comunicação dela com outros alunos era tão ruim?

Será que 134 alunos de comunicação têm uma concepção errada das coisas?

Será que esses 134 alunos nunca tiveram "nem aí" pro CA e so votaram por birra, pra expulsar os "pseudo-engajados"?

Será que os "pseudo-engajados" não usaram esse esteriotipo , que para mim atinge TODOS os alunos de QUALQUER curso de humanas e nao só quem participa dos CAs, para jogar também? Afinal, cada um usa a arma que tem.

É muito mania de perseguição pro meu gosto. Somos todos alunos do mesmo curso, e não é so porque uns não vestem a camisa do MST ou da Enecos que eles sejam menos preparados, menos sonhadores bla bla bla. Alias, qualquer aluno tem todo direto de ser contra o MST e querer fazer parte da Cacos, qual o problema?

Eu particulamente, deixei de votar na chama Roda Viva por causa de dois integrantes da chapa, que mostraram durante o "barraco" da charge como são despreparados e personalistas.

E tenho certeza que muitos deixaram de votar no Roda Viva por motivos semelhantes e não por birra...Mas que seja, eu desejo toda a sorte do mundo a chapa vencedora, e de preferência, sem tombos.

13:32  
Blogger Sérgio Rodrigo said...

De fato eu não havia lido tudo. Vi o continua e imaginei que continuaria outro dia... Mas agora vou lá ler o resto...

21:04  
Blogger Vitor Taveira said...

Bom, vamos para a réplica...

A birra que me referi foi de alguns dos APOIADORES, principalmente os da "velha guarda" e nao dos eleitores que votaram na chapa

dos que criticavam nossa proposta apenas pra esconder que a proposta da chapa 2 era muito ruim

E sinceramente, induzir que eu falei que o estudante que eh contra o mst nao pode participar eh deturpar muito as minhas palavras

Desculpe mas eu nao sei escrever sem sentimentos e esse texto traz uma carga de subjetividade que só quem participou do processo de formaçao da nossa chapa consegue captar

A minha critica é de acordo com minha concepçao de mundo, de sociedade, de movimento estudantil, de centro academico. nao é a verdade absoluta.

Nao tinhamos chances de ganhar. nao éramos o que os estudantes queriam. Nao adiantava mais tempo de campanha, mais debates, mais discussoes politicas que ninguem queria ouvir. Perdemos. Mas saimos vitoriosos por termos coragem de nos apresentarmos com sinceridade, mostrando quem somos mesmo sabendo que nao era isso que a maioria dos eleitores queria.

Agora, pago pra ver a participaçao em massa desses eleitores na gestao. Nao basta desejar sorte. Pelo menos no plano ideal, a direçao tem que trabalha com o estudante e nao para o estudante
É certo que estaremos lá participando, mesmo se a concepçao for diferente da nossa, mesmo se nos olharem de lado. Espero o mesmo dos outros estudantes.

Obs: OS TOMBOS SÃO INEVITÁVEIS!!! Como eu disse no texto, sao saudaveis e naturais. Ser gestao é muito mais dificil do que ser oposiçao. Isso vale pra todas as esferas de poder

22:13  
Blogger geração prozac said...

"Nao tinhamos chances de ganhar. nao éramos o que os estudantes queriam."

Ora...rsrs..muitos ali achavam que a Roda Viva era a substituta "natural" da antiga gestão.Demorou para cair a ficha, para entender que havia uma oposição, que ao apontar falhas da atual gestão, ganhava a simpatia sim dos estudantes. Lembro muito bem do dia que a Roda Viva foi na minha sala e uma pessoa, ironicamente, criticou a outra chapa, indagando "quem eram eles". Rindo, ela mesmo respondeu. Não eram "engajados" o sufuciente, nao tinham "culhão", "curriculo" de revolucionario seja lá o que for. É um discurso de exclusão quase que inconsicente que umas pessoas fazem. E quem nunca participou do CA percebe isso na hora. Não é de hoje que certas figuras da comunicação despertam uma antiatia quase que imediata com os demais alunos, não por apoiar o MST ou seja lá o que for, mas por fazer disso uma credencial para "ser levado a sério" por eles. É ridiculo e vai de encontro com todo aquele papo de união, de pluralidade bla bla bla.

"Nao adiantava mais tempo de campanha, mais debates, mais discussoes politicas que ninguem queria ouvir. Perdemos"

Até onde eu sei, o dia de debate deu muita gente. E eu nunca vi tantos alunos debatendo as eleições do CA, nunca vi tantas pessoas participando. Chega a ser contraditório dizer que nao foram ouvidos, vocês nao foram apenas os escolhidos.

"Agora, pago pra ver a participaçao em massa desses eleitores na gestao. Nao basta desejar sorte."

Não vou as reuniões da Cacos, que geralmente acontecem em horario em que voce ou é obrigado a matar aula, ou presupõe-se que as pessoas nao tem nada para fazer a tarde. Alias, adoraria mesmo nao ter que trabalhar e ficar sentada no sofá da Cacos discutindo formas de melhorar o curso. Mas eu sei de quem cobrar e votei em pessas que vão me deixar inteiramente por dentro daquilo que acontece no CA. Até porque, se a chapa vencedora for minimamente inteligente, prestará contas de suas ações e melhorará a comunicação com os demais alunos.

PS: os tombos podem até ser inevitáveis, mas espero que se eles acontecerem, ao invés de vocês ficarem felizes e jogarem isso na cara deles, querendo um pedido de desculpas por terem sido derrotados, voces o ajudem a levantar. Afinal, todos querem o melhor para o nosso curso, não é?

23:41  
Blogger Vitor Taveira said...

1- As falhas da atual gestão foram apontadas por nós também. Depois várias reuniões apresentamos propostas concretas pra resolver tais problemas. A maioria das propostas na verdade foram bem parecidas. Apresentamos algumas a mais que eles. A única coisa que eles propuseram a mais foi a criação de um blog. Mas é claro que uma gestão não é apenas suas propostas. Também é uma relação de confiança, de acreditar no que o grupo pode fazer. A maioria das pessoas acreditou neles, talvez até por não conhecer as pessoas da nossa chapa e pensar que seríamos apenas o continuísmo e a manipulação, e não oxigenação. Pelo que pude sentir do nosso grupo, continuo convicto de que se ganhássemos faríamos uma das melhores gestões que o Cacos já teve. Mas isso nunca se saberá.

2-O debate praticamente só tinha voto consolidado- a maioria da chapa 2. Conta-se nos dedos os que poderiam mudar os votos ali.

3- Nunca teve reunião do C.A. de tarde, porque as pessoas do centro academico tambem trabalham. Preconceito seu. A maioria das reuniões é de noite, quando não tem aula. Falta de informação sua. E tem que faltar aula sim, claro. Num tem que ter participação? Então o período da manhã é o que é mais fácil de aglutinar os estudantes. Assembléia geral do curso por exemplo tem que ser de manhã né?

4-Bom, se sua visão é essa eu discordo. Ninguém que tá em C.A. é pago. Não tem profissionais, não é prestação de serviços. Comprei uma coisa e na embalagem tá escrito que tem isso mas quando fui ver não tem. Aí vou reclamar lá no Procon. Não é igual à política tradicional. Ninguém pode se dedicar exclusivamente ao centro acadêmico. E ninguém é tão ocupado que não pode participar de nada. Ninguém é tão inútil que não tenha nada pra contribuir.Movimento estudantil é sacrifício, é priorizar algumas coisas em detrimento de outras por acreditar na importância da atução política. Ser gestão é sacrifício, é desgaste, não é lugar pra estar pra poder ser mais popular. Tem que ter compromisso, tem que acreditar que aquilo é realmente importante. Veja o exemplo da Bruna. Se dedicou pra caramba, se ferrou em um monte de coisa pra tocar uma gestão desfalcada de dois diretores e agora? Não tem palmas, não tem agradecimento não. Lembro que disse pra alguém da chapa 2 depois que saiu o resultado das eleições: "Acabou o sonho, agora começa o inferno"

5-Como disse, não acho que eles não nos devam desculpas. Ano que vem será meu último ano no curso, tô afim de contribuir. Tamo aí pra isso. Aliás, tenho ótimas relações pessoais com os integrantes da outra chapa. Mas politicamente tenho algumas divergências que estarão postas claramente dentro do espaço político. Como disse no meu texto, não serei oposição. Serei o que sempre fui, serei eu mesmo.

01:43  
Blogger Relevância Zero said...

Francamente Vitim, não sabia que faz seu tipo jogar com maniqueismo. Você nos pinta no seu texto como as pessoas que acabarão com o CA. É uma pena você não ver o quanto isso ajudou a abrir o olho de muita gente. É uma pena você não acreditar na capacidade das pessoas e achar que apenas você e as pessoas próximas são capazes de fazer algo pelo Centro Acadêmico. É uma pena também nos chamar de utópicos quando descreve o CA como um Olimpo praticamente. É uma pena tanto rancor quando o que eu mais quero é criar um cenário de constante construção política. Poxa, meu amigo, não vejo a Roda Viva como uma perdedora, eu vejo duas chapas vencedoras, pois passam por um processo de amadurecimento político que nenhuma outra chapa no nosso curso teve a oportunidade. Olha pro que poderemos construir! A não ser que queira fazer oposição por oposição, daí realmente só virá prejuízos. Mas esteja certo que eu vou imprimir seu texto e guardar onde eu possa relê-lo várias vezes, pra que assim possa ficar bem claro os rumos que não devemos tomar. Obrigado pelo alerta.

Thalles Waichert

02:20  
Blogger geração prozac said...

“3- Nunca teve reunião do C.A. de tarde, porque as pessoas do centro academico tambem trabalham. Preconceito seu.”


Eu poderia citar N casos em que os horários não eram compatíveis para pessoas que ‘trabalham”. Alias, se eu fosse monitoria de alguma coisa da ufes, ou passasse o dia todo na universidade, como muitos de lá fazem, talvez até seria mais fácil, ou to enganada?

“E tem que faltar aula sim, claro.”

Não, não tem. Não há nada que me faça acreditar que o conteúdo de uma matéria, mesmo dada por Ismael, seja inferior ou menos importante que as reuniões do CA.

“Então o período da manhã é o que é mais fácil de aglutinar os estudantes. Assembléia geral do curso por exemplo tem que ser de manhã né?”

E porque não ANTES das aulas começarem? Porque não fazer uma assembléia as 7 horas por exemplo?

“Movimento estudantil é sacrifício, é priorizar algumas coisas em detrimento de outras por acreditar na importância da atução política. Ser gestão é sacrifício, é desgaste, não é lugar pra estar pra poder ser mais popular. Tem que ter compromisso, tem que acreditar que aquilo é realmente importante.”

Que diabos vocês tanto sacrificam? É tão doloroso assim pensar no “coletivo”? Onde está o fator de mudança no movimento estudantil universitário que eu nunca consegui enxergar, me diga? A maioria está ali para mudar a “si mesmo” e não a sociedade em volta. Porque o movimento estudantil parecer nascer e morrer dentro dele? Onde estão hoje os antigos integrantes do movimento estudantil? Quem vocês são para o resto da sociedade, alem de uns privilegiados? Qual o papel do movimento estudantil? Ah, já sei, não deixar que passagem de ônibus suba. Eu acredito, sinceramente, que o movimento estudantil não é, nos dias de hoje, nem parâmetro de um movimento de resistência. Alias, os verdadeiros movimentos de resistência são constituídos por pessoas que nunca pisaram na universidade para estudar, em sua maioria.

“Veja o exemplo da Bruna. Se dedicou pra caramba, se ferrou em um monte de coisa pra tocar uma gestão desfalcada de dois diretores e agora? Não tem palmas, não tem agradecimento não.”

Acho que a Bruna não deveria se sentir assim. Se ela tiver senso-critico sobre a gestão da qual participou, entenderá perfeitamente o resultado. E a Bruna, ao contrário de outros, nunca buscou palmas.

“E ninguém é tão ocupado que não pode participar de nada. Ninguém é tão inútil que não tenha nada pra contribuir.”

02:35  
Blogger geração prozac said...

Sinceramente? Eu nunca, nem de longe, quis fazer parte do CA de comunicação, porque tenho bem claro, que aquilo não vai mudar a minha vida, nem a das pessoas que me cercam, em porra nenhuma. Entendo as pessoas que fazem do movimento estudantil um caminho para mudar as coisas, para lutar pelas coisas que quer. Mas esse não é o meu jeito de lutar, e por isso, não durmo me sentindo uma inútil ou indiferente.


“Não é igual à política tradicional. Ninguém pode se dedicar exclusivamente ao centro acadêmico.”

Para mim não é grande surpresa que muitos que freqüentam o movimento estudantil hoje façam parte da política tradicional...


Não tenho nada contra o ME, e embora não pareça, eu reconheço sim sua importância. Mas assim como vocês escolherem um caminho para mudar as coisas, eu escolhi outro, que não passa pelo CA. Mas isso não me faz isenta sobre as relações que o cerca. Não exime a minha responsabilidade, tanto é que votei, ao contrario de muitos, que fingiram ignorar aquela urna de papelão que ocupou o corredor por dois dias. E posso contribui mais sim, se eu me sentir bem em dialogar com as pessoas que fazem parte dele, coisa que nunca aconteceu antes.

O que me motivou a votar foi quase um senso de justiça pelas queixas e observações que eu ouvi de diversos alunos durante esses dois anos na ufes sobre o comportamento de certos integrantes do CA. E depois que aquela charge foi divulgada, percebi muito bem como as pessoas podem ser personalistas e intolerantes quando são questionadas.

02:36  
Anonymous Anônimo said...

Acho que o primeiro tombo moral de um ser-humano eh ser um mau perdedor...
Mas o supra-sumo da babaquice eh ficar torcendo pra quem ganhou se dar mau, soh pq “acreditam que o caminho eh outro”... Francamente, esperava mais de vc...

Buzin

03:21  
Blogger Vitor Taveira said...

Geração Prozac, agora você deixou clara sua visão de movimento estudantil, fica mais complicado discutir contigo...

mas só pra mandar de volta pra você: quem iria em reuniões às 7h? Daria tempo de resolver tudo sempre em 1h, incluindo dentro desse tempo os atrasos, que sao tao normais?
AGENTE PRECISA DE ORGANIZAÇÃO!!!! ORGANIZAÇÃO EXIGE REUNIÃO, POR MAIS QUE SEJA CHATO E DESGASTANTE.TEM QUE ARRUMAR ALGUM TEMPO PRO C.A.!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Particularmente eu não tenho mais quase nenhuma motivação pra ir à aula, especialmente nesse período. As aulas não tem acrescentado quase nada. Então vou continuar esperando até que num passe de mágica o curso fique ótimo?
Aliás,quando foi que seus professores pautaram democratizaçao da comunicaçao? TV digital? avaliaçao institucional?
O centro academico eh complementar às aulas, tao importante quanto. Resta a cada um escolher suas prioridades. A sua não é o centro academico e isso nao lhe dá menos direito a votar e escolher representantes.

Ah, pra fechar... Acho que o problema do movimento estudantil não é somente as pessoas que participam, mas principalmente as que não participam.

Porque quase sempre os comunistas, socialistas ou esquerdistas que estão nas instituições? Se a maioria não se identifica com eles porque eles são eleitos? Na minha opinião é porque a maioria não toma posição política, não tem projeto político, não quer participar mesmo, não quer perder tempo. Porque é mais cômodo delegar poder e depois cobrar se faltar algo. Porque são individualistas ou vêem a universidade apenas como trampolim para o mercado de trabalho. Ou porque por algum motivo, como é o seu caso, não acreditam nesses espaços

Como disse indiretamente em meu texto, participar diretamente do movimento estudantil lhe dá uma visão muito diferente das coisas, muito menos ingênua. É tipo o que aconteceu com o Lula né? As coisas não são tão simples como pareciam...

03:54  
Blogger Vitor Taveira said...

Buzin e Thalles:

Primeiramente, não escrevi o texto com o objetivo de jogar na cara de vocês. Fiz para uma disciplina, na qual deveria escrever um "acontecimento comentado", ou seja tomar partido, assumir uma posição. É um texto lírico, carregado de sentimentos e de emoções que algumas poucas pessoas conseguirão captar em toda sua plenitude.

Posteriormente resolvi compartilhar minhas emoçoes com tais pessoas e acho que elas gostaram bastante.

Depois postei no blog, deixando-o em aberto para que qualquer um pudesse ler.

Não sou mau perdedor. Aceitei a derrota numa boa, já a esperava, não estou praguejando e, como já disse, não escrevi isso pra jogar na cara de vocês. E em nenhum momento falo que torço pra voces se darem mau. Como disse, o choque de realidade é saudável e natural. Nós também não escaparíamos dele.

"Perceberão que o centro acadêmico que volta-se apenas a si mesmo como forma resolver todos seus problemas vai esbarrar no próprio narcisismo."

Essa é minha principal divergência com vocês. Deixei claro qual a minha posição e me coloquei disposto a contribuir de acordo com o que acredito e sugeri aos outros fazer o mesmo

Mas o texto eh bem literário, vocês ficam livres para interpretar e/ou deturpar como quiserem. E eu realmente não devo explicações. Mas o debate é sempre interessante e construtivo....

03:56  
Anonymous erica vaz said...

"quem iria em reuniões às 7h? Daria tempo de resolver tudo sempre em 1h, incluindo dentro desse tempo os atrasos, que sao tao normais?"

Se as reuniões fossem mais regularese e as pautas mais objetivas, isso nao seria problema nenhum

"Particularmente eu não tenho mais quase nenhuma motivação pra ir à aula, especialmente nesse período. As aulas não tem acrescentado quase nada."

Voce deve faltar muitas aulas...ou a sua turma é um saco. O que nao corresponde com a minha. Aproveito (e aproveitei) muito bem as aulas de ruth, renata, martinuzo, cleber, alexandre, malini...

" Acho que o problema do movimento estudantil não é somente as pessoas que participam, mas principalmente as que não participam."

Concordo, mas como nao pretendo fazer do CA meu espaço de transformação,até por nao acreditar nela, minha contribuição continuara sendo limitada, sem nenhum peso por isso.

"Como disse indiretamente em meu texto, participar diretamente do movimento estudantil lhe dá uma visão muito diferente das coisas, muito menos ingênua."

Ora...A vida, pelo menos para mim, nunca foi cor-de-rosa. E eu nao preciso do CA para lembrar o quanto esse mundo ta fudido, nem para me fazer lembrar da minha responsabilidade social. Vi isso a vida inteira, não cai de paraquedas nesse mundo "absurdo" como alguns parecer ter caido.

"Porque quase sempre os comunistas, socialistas ou esquerdistas que estão nas instituições?"

Pois é, o estudante tem muito opção de escolha para ser neoliberal/direita sem ser demonizado pelos demais professores e alunos..rsrs...

"Porque é mais cômodo delegar poder e depois cobrar se faltar algo. Porque são individualistas ou vêem a universidade apenas como trampolim para o mercado de trabalho."

Todos nos somos individualistas e todos nos estamos na universidade para nos promover, de uma certa forma. Universidade sempre foi "status" não importa sua posição ideologica. É para uma minoria, elite. E os frequentadores do CA nem sempre são exemplos de pessoas desprendidas, que pensam sempre no coletivo, humildes....rsrsrs..Muito pelo contrário, um dos motivos para as ações do CA serem, em sua maioria, desastrosas, é por causa do egocentrismo de muitos. Centro dos egocentricos eticos. Sei..

Ah, pra mim ja deu. Eu tenho minha posiçao, tenho meus motivos, e nao vou mudar. E as minhas razões só são perceptiveis para quem me conhece. Chega, já deu.

19:05  
Blogger Vitor Taveira said...

"Se as reuniões fossem mais regularese e as pautas mais objetivas, isso nao seria problema nenhum"
Também encerro aqui. Não dá pra discutir com a pura retórica vazia do senso comum.

Mas quando você fala que tem outra forma de contribuir com a sociedade eu fico curioso. Que forma é essa? Será que ela não tem nada mesmo a ver com movimento estudantil? Será que enquanto estudante você não tem nada pra contribuir, seja no centro academico ou fora dele?

00:04  
Blogger geração prozac said...

"Que forma é essa? Será que ela não tem nada mesmo a ver com movimento estudantil? Será que enquanto estudante você não tem nada pra contribuir, seja no centro academico ou fora dele?"

Com tudo respeito, îsso não lhe interessa. Voce nao me conhece. Não sabe o que eu penso ou deixo de pensar, o que eu faço ou deixo de fazer e o que eu pretendo ou nao fazer daqui por diante. Mão fale como se soubesse, como se suas perguntas não criticassem a minha postura perante as coisas, simplesmente por elas nao serem iguais a sua. Vai ver a minha "retorica vazia" so me permita olhar apenas para o meu umbigo.

Definitivamente, adeus.

01:56  
Blogger Vitor Taveira said...

Cruzes. Eu perguntei na boa. Exatamente pra abrir minha cabeça, pensar novas formas de atuação, etc. Mas se você quer levar pro plano pessoal, tá beleza.

Adeus.

14:29  

Postar um comentário

<< Home

FREE hit counter and Internet traffic statistics from freestats.com