11.9.06

Comédias da vida pública


Assisti algumas vezes nesta eleição, ao horário eleitoral gratuito em que se exibiam os candidatos ao Governo do Estado. Uma das “figuras” chamou-me a atenção por desenhar um coração no ar.

- Em toda eleição há um pouco de comédia, pensei.

Afonso Sarlo é mais um desses “comediantes” que nos divertem e nos fazem rir da tristeza e do circo que a política tem tanto potencial para ser. Hoje, de relance, deparo-me com o horário eleitoral e lá está ele. Estava com uma camisa diferente da “aparição do coração”.

Parei para ver, ainda que estivesse pegando o bonde andando. Ele falava contra a corrupção e prometia combatê-la, quando de repente aparece um cinto na mão do candidato. Ele esbraveja “vou dar uma surra na corrupção”, ou coisa parecida. E foi o fim do tempo destinado a ele.

Particularmente não achei graça, mas foi, digamos, irreverente. Minutos depois acesso casualmente o site seculo diario e o que eu encontro? Entrevista com Afonso Sarlo, o próprio. O candidato afirma que sabe de suas parcas chances de vitória no pleito e que entrou na disputa para “conseguir provar ao povo capixaba que Hartung não é o candidato que todos esperam que ele seja”.

Além das críticas ao governador, Sarlo explica um pouco dessa aventura de se lançar como alternativa ao governo, sendo um empresário sem experiência alguma em política.

É, é uma aventura diferente. Mas eu aprendi uma coisa há muitos anos, quando perguntaram por que Sílvio Santos queria governar o país. Dele eu aprendi uma coisa: primeiro temos que transformar o país numa empresa. Numa empresa quem não faz um bom trabalho tem que ser posto pra fora. Daqueles casos ou naqueles casos que não podemos ter controle, há dinheiro suficiente para contratar pessoas capacitadas para aquele espaço ou aquele local. Então, se eu não entendo de área tributária, vou encontrar alguma pessoa que seja muito boa em tributação, ou seja, colocar em cada cargo a pessoa que seja capacitada para aquele cargo”.

1 Gritos:

Blogger Gabriely said...

Melhor (ou pior) que ver coraçõezinhos desenhados no ar é ouvir outro candidato, o Coronel Figueiredo dizer que, quando for eleito, vai "governar este Estado com a Bíblia em uma mão e a Espada na outra..."

Desse jeito é difícil se livrar da arapuca do circo político e levar alguma coisa a sério.

Faz parte do plano das elites para despolitizar a população E MANTER OS QUE BEM ENTENDER.

E não me importo se me chamarem de neurótica, puritana, esquerdista ou outros... não sou nenhuma dessas coisas, portanto ignoro.

18:26  

Postar um comentário

<< Home

FREE hit counter and Internet traffic statistics from freestats.com